Infecções Hospitalares potencialmente fatais mais que dobraram em dois anos

_”INFECÇÕES E ERROS MATAM MAIS QUE O CÂNCER E A AIDS JUNTOS!”_

“A tendência é crescente das infecções hospitalares sendo extremamente preocupante aos pacientes internados e aos familiares“
Conforme as Organizações de Saúde alertam, a falta de cuidados higiênicos básicos em todos os aspectos do corpo médico, as enfermarias, visitantes, limpeza dos ambientes e ambulâncias tem pesado por detrás deste aumento; sendo a maioria dos afetados os idosos que estão em fase de recuperação ou com uma doença grave; as infecções reduzem drasticamente as taxas se sobrevida.

Infectologistas e especialistas em infecções advertem que alguns micro-organismos tornaram-se hiper-resistentes aos antibióticos até os mais pesados (tarja preta); confessam que estão lidando com hiper-bactérias (MRSA, VRE, HDM-1, Norovírus, TB, Legionella e outros) dentro das instalações hospitalares.

Centros de Saúde têm tentado fazer os ambientes limpos através da conscientização; incentivando todos os funcionários, corpo médicos e visitantes através da necessidade de ser higiênico. Declaram que tais esforços tem sido em vão porque alguns seguem; porém, no dia-a-dia maioria não observa os procedimentos.

“Lavar as mãos com álcool-gel não funciona”

A lavagem correta das mãos com água corrente e sabão entre os pacientes é a melhor solução. Higienizar o estetoscópio e outros instrumentos médicos, utilizar luvas e trocar entre pacientes. Ainda, precisa-se de ambientes higiênicos e esterilizados em todos os setores, inclusive na sala de espera onde os doentes e acompanhantes estão sentados lado-a-lado. Não pode-se esquecer das vestimentas, uniformes, jalecos e sistemas de ar condicionado central ou individual também são fontes de infecções hospitalares. Lavanderias e banheiros requerem muito maior atenção; a descarga do vaso sanitário com a tampa aberta espalha no bactérias letais provenientes dos adoentados. Os ambientes fechados dos Centros de Saúde facilitam a proliferação das bactérias, vírus, germes, ácaros, percevejos (superbug), mofos e fungos; além das baratas, aranhas, moscas, mosquitos, formigas, lagartixas e ratos que são resistentes migrando para outros locais fora dos Centros de Saúde levando riscos para a população. E, é isto independe de ser Centros de Saúde Públicos ou Privados; veja os detalhes nas reportagens anteriores.

Infecções Hospitalares estão na maior taxa nos últimos 13 anos para os quais os registros estão disponíveis ao público; levando a estadias prolongadas no hospital ocupando leitos vitais que deveriam estar sendo ocupados por outros enfermos. Esta é uma perspectiva aterrorizante para os vulneráveis que pensam que estão indo ao hospital para se curar e pioram. O pior é que parece não haver maneira eficaz de motivar os Gestores dos Centros de Saúde para acabar com este terrível desperdício de dinheiro e estão demitindo pessoal da linha de frente para cortar custos e obter maiores lucros.

Pessoas renomadas também tem sofrido ou morrem devido as infecções hospitalares adquiridas; no caso do Ministro Sergio Motta faleceu devido a tuberculose adquirida dentro do hospital. O caso mais recente é do humorista Chico Anísio que tem padecido nos últimos tempos de infecção pulmonar e está sendo tratado com antibióticos e os próprios médicos reconhecem que o seu quadro clínico é grave.

Na Inglaterra; isso significa em torno de 30 mil libras esterlinas (100 mil reais) drenadas por dia para fora do orçamento hospitalar para pagar as reivindicações daqueles que se contaminaram pelas infecções hospitalares potencialmente letais. No Brasil, existem Leis similares do Ministério da Saúde, Anvisa, Ministério do Trabalho e Emprego que garante os mesmos direitos aos parentes e estende-se também aos funcionários, só que não são divulgadas pela mídia e a população passa a considerar obra do acaso ou porque DEUS quiz!

SERÁ? Cada Centro de Saúde é obrigatório a ter os CCIH -Comissão de Controle Infecções Hospitalares; que são os responsáveis pelo cumprimento da observância das Normas e Procedimentos definidos por Leis do Ministério da Saúde, Ministério do Trabalho e Emprego e da ANVISA; inclusive respondendo por questões financeiramente e judicialmente podendo resultar em prisão dos responsáveis por até 5 anos sem direito a fiança.
O que percebe-se na prática que algumas CCIHs estão mais preocupadas em manter a estabilidade do emprego similar como ocorre com a CIPA nas empresas; que se elegem para não serem demitidos por um período de dois anos.

Álcool em gel não elimina o vírus; as mãos devem ser lavadas corretamente com água corrente e sabão e inspecionadas adequadamente.

A Tecnologia UV-C é uma importante arma para o combate e prevenção contra os micro-organismos em ambientes fechados e principlamente contra bioterrorismo sendo recomendado fortemente pela FEMA (Federal Emergency Management Agency), CDC (Centers for Disease Control and Prevention), ASHRAE (American Society of Heating, Refrigerating and Air Conditioning Engineers) e IUVA (International Ultraviolet Association)

Tecnologia UV-C é ecologicamente correta e sustentável sem uso de produtos químicos e tóxicos. Maiores informações no site:

http://www.xgerms.com.br

Leia outras reportagens sobre Tecnologia UV-C no blog
http://www.xgerms.wordpress.com

Anúncios
Esse post foi publicado em ambientes fechados, cloro, cloto, desinfecção, doenças, esterilização, flúor, hiper-bactérias, hiperbacterias, Infecções hospitalares, pneumonia, Profissionais da Saúde, super-bactérias, superbactérias, TB, tecnologia, Tecnologia Verde, tuberculose, ultravioleta, Uncategorized, UV-C, UVGI. Bookmark o link permanente.

6 respostas para Infecções Hospitalares potencialmente fatais mais que dobraram em dois anos

  1. João Szucko disse:

    QUE EM 2012, NÓS BRASILEIROS FAÇAMOS VALER OS NOSSOS DIREITOS. FELIZ 2012 A TODOS!

  2. vernini disse:

    Parabén João pelo trabalho. espero que de tudo certo a voce.
    se precisar de apoio ou ajuda, estamos a sua disposição.

  3. Luciana Silva Machado disse:

    Preciso urgente da ajuda de vocês!
    Tenho que fazer um trabalho sobre o caso da morte de Chico Anysio, onde tenho de fazer uma dissertação respondendo as perguntas baixo:
    Como podemos interpretar o texto usando os conceitos da microbiologia?
    O qua explica o quadro de choque termico?
    quais são as bacterias e fungos mais comuns nestes casos clinicos?
    a morte do humorista poderia ser evitas?

  4. Luciana Silva Machado disse:
    • Xgerms disse:

      Cara Luciana; no nosso blog tem muitas informações sobre as perguntas que você fez; recomendamos também que visite o nosso site que contem maís dados e artigos científicos que serão muito úteis a você. Quanto aos vírus mais comum são da Tuberculose, Pneumonia, MRSA, EColi. Se precisar de mais informações estamos a disposição. Sugiro inclusive ler o nosso último artigo sobre o: 1931
      Abs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s