Profissionais da Saúde enfrentam dia-a-dia as infecções do vírus da Tuberculose (TB)

“Infecções Hospitalares matam o dobro do Câncer e AIDS; e, isto é escondido da população!”

Estudos recentemente indicam que os Profissionais da Saúde estão sujeitos diariamente a contaminação pelo vírus da Tuberculose nas instalações em todos os Centros de Saúde; e que têm um aumento significativo entre si em comparação com a população. Incluindo membros da equipe de voluntários, pessoal da limpeza, atendentes, administração e etc; que tenham contato com pessoas adoentadas que ainda não foram diagnosticadas e ou em fase inicial de tratamento. Estudo comprovou que aos trabalhadores de instituições correcionais e de reabilitação de drogados também estão sujeitos da mesma forma que os Profissionais da Saúde.

Os profissionais destas atividades enfrentam o desafio a cada dia em termos de aumento do risco de transmissão da doença por causa da exposição freqüente e prolongada junto aos pacientes com tuberculose não diagnosticada e potencialmente contagiosa com os recursos limitados. Além de estarem ao mesmo tempo tratado com pessoas com outros tipos de doenças estão particularmente vulneráveis a desenvolver a Tuberculose (TB) dos que estão infectados ou as demais. A tuberculose é a infecção oportunista mais comum e uma das principais causas de morte em pessoas que tem HIV/AIDS.

O uso da tecnologia por irradiação ultravioleta (UV-C ou UVGI) em ambientes fechados como os Centros de Saúde revela-se cada vez mais eficazes e eficientes, particularmente em contextos de recursos limitados, para evitar a desnecessária morbidade e mortalidade devido a transmissão da tuberculose (TB).

Um fato de grande preocupação para os prestadores de cuidados de saúde é que os micro-organismos responsáveis por infecções são muito difíceis de erradicar, e muitos se tornaram cada vez mais resistentes a antibióticos, inclusive os de tarja preta. Infecções se espalham de duas formas, por contato e inalação. A convencional metodologia preventiva tem sido a limpeza de superfícies e lavar as mãos tem se mostrado cada vez mais ineficiente.

Utilização de álcool gel não elimina os micro-organismos como anunciado.

Continua sendo a lavagem de mãos correta e limpeza adequada dos uniformes e equipamentos, principalmente do estetoscópio entre pacientes, o meio mais eficaz para o trato entre doentes.

O tempo para efetuar a higienização, desinfecção e esterilização pelo método convencional é por demais demorados; o que acaba por realizar o processo de forma objetiva e muitas vezes não é realizado devido à superlotação dos doentes necessitando de cuidados urgentes; como em Centros de Saúde, albergues, abrigos, instalações correcionais e assim por diante. No método convencional não é eliminado os riscos de inalação pelo ar dos infectados onde os micro-organismos são aerotransportados pelas gotículas produzidas pelos doentes enquanto respiram, tossem e/ou espirram ficando em suspensão entre os ambientes e pelo sistema de ar condicionado e nos dutos de condução do ar; requerendo atenção especial inclusive nos banheiros dentro das instalações. O que não acontece com o uso da Tecnologia UV-C (ou UVGI), existindo soluções inovadoras para cada situação.

Abordar a questão dos micro-organismos patogênicos deve ser uma alta prioridade para os Centros de Saúde, se desejarem evitar uma pandemia potencial em nossos hospitais, clínicas e outros locais. Atualmente as infecções hospitalares matam duas vezes mais que o Câncer e a AIDS juntos contaminado cerca de 2.000.000 de pessoas por ano. Que existem micro-organismos que podem permanecer ativos por meses em superfícies até ser transferidos aos Profissionais da Saúde, funcionários, doentes e visitantes. E uma das mais resistentes aos antibióticos e as soluções de desinfecção existentes é a bactéria MRSA – Methicillin-resistant Staphylococcus aureus .

Tecnologia UV-C (ou UVGI) é um antídoto eficaz e acessível.

Internacionalmente comprovada é um meio rentável de reduzir micro-organismos em Centros de Saúde. Hoje, internacionalmente estão se investindo cada vez mais nesta tecnologia para reduzir drasticamente a propagação de doenças transmissíveis.

Estudo realizado pelo Dr. Edward Nardel da Faculdade de Medicina de Harvard o qual comparou a eficácia da ventilação, filtros e uso da tecnologia UV-C (ou UVGI) na luta contra a Tuberculose (TB) e outras doenças; observou que os profissionais de saúde exercem a função a maior parte do tempo nos corredores dos hospitais; sendo importantes condutores do ar e transporte de pacientes infectados. Sendo Tecnologia UV-C (ou UVGI) barata e potencialmente eficiente e eficaz o suficiente para ser considerado para fins de desinfecção do ar em corredores, áreas de espera e salas de emergência, centros cirúrgicos, laboratórios, quartos, enfermarias, UTIs e armazenagem de medicamentos.

A tecnologia internacionalmente é utilizada desde 1.937 em salas de operação e enfermarias. Testes realizados em enfermarias provaram que as taxas de infecção geral diminuíram mais de 78% com a introdução da tecnologia nos ambientes fechados.

Os gestores e administradores dos Centros de Saúde necessitam encarar são os custos das Infecções Hospitalares Adquiridas que são elevadas, que ocupam leitos de para outros doentes que necessitam de cuidados. São os responsáveis perante as Leis existentes no Brasil tanto perante o Ministério da Saúde quanto do Ministério do Trabalho e Emprego; podem ser acionados juridicamente na esfera trabalhista e cível pelos funcionários e pelo lado dos doentes ou seus parentes; podendo pagar elevadas somas de dinheiro devido às indenizações e os membros do CCIH (Comissão de Controle de Infecções Hospitalares) e os Enfermeiros(as)-Chefes são co-responsáveis perante a Justiça tanto quanto os gestores e/ou administradores.

Somente lembrando já existem processos correndo na Justiça Trabalhista e Cível responsabilizando os agentes que não tomaram as providências necessárias; infelizmente muitos dos responsáveis não conseguem comprovam as ações para impedir a contaminação dos ambientes fechados dos Centros de Saúde.

Tecnologia UV-C (ou UVGI) é ecologicamente correta e sustentável sem uso de produtos químicos e tóxicos. Maiores informações no site:

http://www.xgerms.com.br

Leia outras reportagens sobre Tecnologia UV-C no blog
http://www.xgerms.wordpress.com

Anúncios
Esse post foi publicado em ambientes fechados, cloro, cloto, desinfecção, doenças, esterilização, flúor, hiper-bactérias, hiperbacterias, Infecções hospitalares, pneumonia, Profissionais da Saúde, super-bactérias, superbactérias, TB, tecnologia, Tecnologia Verde, tuberculose, ultravioleta, Uncategorized, UV-C, UVGI. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s